Home / Notícias / O que queremos do novo prefeito?

O que queremos do novo prefeito?

A edição 31 da Revista da Astec traz uma entrevista com os prefeituráveis sobre três temas polêmicos: isonomia, plano de carreira e substituição de CCs por servidores do quadro. Além disso, a Entidade está recebendo questões dos associados para um documento que está sendo elaborado e será encaminhado aos candidatos.

 

A edição 31 da Revista da Astec traz uma entrevista com os prefeituráveis sobre três temas polêmicos: isonomia, plano de carreira e substituição de CCs por servidores do quadro. Além disso, a Entidade está recebendo questões dos associados para um documento que está sendo elaborado e será encaminhado aos candidatos.

Para participar, basta encaminhar seus questionamentos através do atendimento@astecpmpa.com.br ou da página da Astec no Facebook.

Confira a seguir, as perguntas encaminhadas pela Revista da Astec aos aspirantes ao cargo de prefeito:

1) Face à inexistência de um salário que remunere dignamente os Municipários, os servidores foram se organizando em grupos e, a partir de seu potencial de mobilização, alcançando gratificações por produtividade. Isto acarretou a quebra de

isonomia, resultando numa realidade em que profissionais de mesma formação, que contribuem para um mesmo resultado, percebem remunerações diferentes.
Qual sua proposta sobre a isonomia, para resolver a questão de profissionais iguais tratados de forma diferente?
 
‎2) A dificuldade no cumprimento de um plano de progressão funcional justo e que estimule o servidor a buscar uma formação continuada para, em consequência, qualificar o serviço prestado, é uma das questões do atual modelo de gestão da Prefeitura.
Qual sua posição sobre a construção de um plano de carreira pelos e para os servidores e qual o prazo para sua implantação?
 
3) Uma das grandes dificuldades encontradas pelos servidores para o desempenho adequado de suas funções e para a prestação de um serviço qualificado é a substituição de servidores do quadro por cargos de confiança política, os CCs, em gran

de número de em postos chave. É comum que, durante a campanha, os candidatos falem na necessidade de valorizar os servidores de carreira e reduzir o número de CCs.
Qual o seu compromisso quanto ao número e a posição de CCs no governo?
 

ASSOCIATIVISMO PARTICIPATIVO SE FAZ COM UNIÃO E PLURALIDADE.
DIRETORIA EXECUTIVA-GESTÃO 2011-2012 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *