Home / Notícias / Ações em defesa da correção do efeito cascata

Ações em defesa da correção do efeito cascata

Confira as notícias sobre as últimas movimentações em defesa da integridade dos vencimentos dos municípários. Nenhum centavo a menos!

 

Associado(a),
 
Repassamos notícias do Simpa a respeito das movimentações na semana sobre o efeito cascata:

AÇÕES EM DEFESA DA CORREÇÃO DO EFEITO CASCATA

A direção do Simpa participou de audiência com o vice-prefeito, Sebastião Melo, na tarde dessa quinta-feira (17/12) para tratar da decisão do juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública, que acolheu a manifestação do Ministério Público, a qual entendeu que a Lei Complementar nº 768/15 e a Lei Ordinária nº 11.922/15 não cumpriram com a retirada do efeito cascata no cálculo da remuneração dos servidores. Ficou deliberado que a Prefeitura ingressará com agravo de instrumento pedindo a revisão da decisão.

O Simpa está elaborando o pedido para ingressar como terceiro interessado no processo e acompanhará todas as ações, fazendo a defesa permanente dos salários dos servidores.

Também participaram da agenda: representantes dos vereadores, do sindicato dos servidores da Câmara, representante da PGM, a coordenadora de Comitê de Políticas Salariais, e os secretários da Administração e da Fazenda.

No período da manhã, a direção do Simpa participou de reunião com Mesa Diretora da Câmara de Vereadores para resgatar o compromisso na defesa da legislação que muda o cálculo da remuneração sem perdas.

Leia abaixo noticias do processo que demandou essa movimentação:

Nota de Expediente Nº 4049/2015

001/1.15.0160628-0 (CNJ 0232005-10.2015.8.21.0001) – Ministerio Publico do Estado do Rio Grande do Sul (sem representação nos autos) X FASC – Fundação de Assistência Social e Cidadania (pp. Marco Antonio do Amaral Seadi e Ronaldo Michaelsen Napoleao) e DEMHAB – Departamento Municipal de Habitação (pp. Airton Carlos Fattori, Edir Pedro Domeneghini e Fernando Damiani de Oliveira) e PREVIMPA Depto Municipal Previdência Servidores Públicos Município (pp. Alexandre Salgado Marder e Anelise Jacques da Silva) e DMAE- Departamento Municipal de Água e Esgotos de Porto Alegre (pp. Délia Cristina Fernandes Ramos) e Município de Porto Alegre (pp. Edmilson Todeschini e Joao Batista Linck Figueira) e Departamento Municipal de Limpeza Urbana – DMLU (pp. Felipe Augusto de Souza Monteiro, Joao Elpidio de Almeida Neto, Jose Flavio Rocha Silveira e Vitor Hugo Martins Dornelles) .

Vistos. Com razão o Ministério Público em sua manifestação de fls. 834/837, verso. Em profunda análise acerca das alterações legislativas efetuadas pela Municipalidade (Lei complementar nº 768/15 e Lei Ordinária nº 11.922/15), nota-se claramente que vão de encontro ao que decidido muito anteriormente pela Corte Judicial deste Estado. Assim, resta mantida a determinação de fl. 804, com a posterior exclusão de aplicação de multa, conforme fundamentado na fl. 832. Tendo em vista se tratar de ato complexo, concedo o prazo de 60 dias para a Administração Pública Municipal comprovar trazer aos autos os resultados da referida revisão. Decorrido o referido prazo e com a juntada da documentação, intime-se o Ministério Público. Momento em que o Parquet também deverá informar a atual situação do Recurso Extraordinário interposto sobre a decisão proferida em sede de apelação, bem como da Ação Cautelar nº 3.834. D.L.

Porto Alegre, 1 de dezembro de 2015

Visite nosso site: www.astecpmpa.com.br e acompanhe sua Associação.

Curta nossa página no facebook.com/astecpmpa

Associativismo forte se faz com unidade e ação.

Diretoria Executiva 2015/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *